Futebol

Caça talentos do futebol em Brasília

Dupla de observadores técnicos do São Paulo acompanham competições no DF

Ser jogador de futebol profissional é o sonho de grande parte dos atletas infantis. Sabe-se que o percentual dos que conseguem é muito pequeno, mas isso não desestimula a garotada, que entra em campo para mostrar seu talento. O esforço é maior ainda quando se sabe que há por perto observadores técnicos que podem ajudá-los a realizar seus objetivos.

Nas últimas duas semanas, atletas do Distrito Federal jogaram sob os olhares de dois personagens dessa história de luta, sonho, desilusão e sucesso. Estiveram por aqui Leiva Duarte e Cícero Gomes (Tupã), observadores técnicos do São Paulo Futebol Clube.

Eles acompanharam vários campeonatos que estavam ocorrendo na cidade e puderam avaliar alguns jogadores de destaque. A dupla observou atletas entre 10 e 14 anos. Mas também teve a oportunidade de acompanhar alguns na faixa etária de 15 anos. Segundo eles, não há um número certo de meninos que vão a teste no clube. “Há viagens que não conseguimos levar nenhum. Mas em outras, uma média de cinco a sete atletas”, conta Leiva.

Porém, para tornar o sonho realidade, não basta saber jogar futebol. “Primeiramente, avaliamos a parte técnica, mas a disciplina e conduta têm um peso muito grande”, revela Leiva.

De acordo com Leiva, a profissão tem seus encantos, mas para ser um bom observador técnico, é preciso ter humildade e também pé no chão para não se deixar levar por opiniões apaixonadas. “De futebol, todo mundo entende um pouco, mas é preciso avaliar bem e ouvir a opinião de outras pessoas”.

PERFIL
LEIVA DUARTE (E)

Leiva Duarte jogou na Segunda Divisão do Campeonato Paulista de 1989 a 1992. Sua carreira foi curta, mas mesmo assim não desistiu do futebol. Em 1993, ingressou como observador técnico, no Colina Atlético-SP. Em 1994, foi para o Vitória-BA, onde ficou até 1996, quando retornou para o Colina.

Em 1997, fez o caminho contrário, onde ficou até 2007, no Vitória da Bahia. No mesmo ano, encontrou no São Caetano a oportunidade de seguir na profissão de observador técnico, e permaneceu até 2010. Em setembro do mesmo ano, foi para o São Paulo Futebol Clube, onde está até hoje.

Leiva adora a profissão, pois, segundo ele, “gosta de achar bons jogadores, encontrar talentos”. Mas se tem algo que não gosta em sua função é presenciar pais forçando as crianças a serem jogadores. “Tem pais que acham que vão encontrar nos filhos a sua aposentadoria. Isso me irrita profundamente”.

CÍCERO GOMES (D)

Cícero Gomes, o Tupã, foi jogador profissional por 18 anos. Atuou no Guarani-SP, Botafogo-RJ e outros clubes. Quando parou de jogar futebol profissionalmente, trabalhou em algumas escolinhas.

Nesse trabalho, descobriu muitos jovens talentos e, como tinha bom relacionamento com o São Paulo Futebol Clube, foi convidado, em 2003, a ocupar o cargo de observador técnico do clube. No início, fazia indicações para o profissional, mas, atualmente, só para as categorias de base.

Segundo ele, uns 40 atletas entre 10 e 18 anos já foram levados por ele para o clube. Mas assim como Leiva, ele também fala de um lado que não gosta nessa função, que é a conduta de alguns pais. “No futebol, de cada cem, dois seguirão carreira. Os que não conseguirem precisam ter uma boa base para levar a vida. E os pais são muito importantes nessa hora. Se os pais não estão preparados psicologicamente para segurar a barra do filho pela frustração, com certeza esse menino terá problemas na vida”.

“Estudo em primeiro lugar”

Enquanto Leiva Duarte concede a entrevista, Cícero Gomes, o Tupã, também observador técnico, assiste às partidas e faz várias observações sobre os atletas que estão em campo. Mas ele chama a atenção para o comportamento das famílias de muitos jogadores. Segundo ele, alguns forçam as crianças a jogar futebol e fica evidente que aquele sonho não é do jovem atleta e, sim, do pai.

“O futebol é muito bom, mas é preciso que os atletas queiram seguir carreira e que não sejam forçados pelos pais. A família deve incentivar os filhos a estudar. Mais que isso. Deixem as crianças jogarem por livre e espontânea vontade”, alerta Tupã.

O observador complementa com um conselho: “O futebol deve ser um lazer para os pequenos e não uma obrigação. O estudo deve vir em primeiro lugar, pois se o atleta não conseguir seguir carreira, no mínimo, será um homem digno em qualquer outra profissão”.

Idas e vindas dos selecionados

Durante as observações dos “olheiros” do São Paulo Leiva Duarte e Tupã, eles anotam alguns nomes e observações. Em Brasília, eles ficaram 12 dias e fizeram suas escolhas. Mas nada é informado aos técnicos e pais. Somente quando chegam em São Paulo preparam um relatório e passam para uma comissão técnica, formada por três professores.

Na semana seguinte, a comissão entra em contato com os técnicos dos jogadores. Os aprovados passam uma semana a cada três meses no clube (São Paulo), onde são monitorados até completarem 14 anos. “Depois dos 14 anos, vão morar no clube e se prepararem para a carreira. Porém, nem todos conseguem”, diz Leiva.

Tags
Mostrar Mais

Viver Sports

A voz do esporte amador no DF e Entorno, chega a versão 2.0 de seu novo Site

Artigos relacionados

18 Comentários

  1. Ola o meu nome e Alessandro de Souza Moreira tenho 14 anos e sou atacante moro em planaltina df ir estou a procura de uma vaga em qualquer time de futebol o meu sonho e esse ser jogador de futebol Professional pois espero q vcs me ajuda com o meu sonho obg pera a Atenção de vcs um abraço!
    alessandro

  2. Boa tarde!

    Meu filho foi visto jogar em Laranjal Paulista pelo Tupã porém, eu não estava presente pois, resido no interior de Minas Gerais e estava desprevenido. Agora, necessito muito falar com ele e não tenho nº de telefone, email e nem o nome completo do Cícero Gomes (Tupã). Vc não poderiam ajudar-me? Obrigado!

  3. Gostaria de saber quando os olheiros estarão em Brasília novamente, pois meu filho é apaixonado por futebol, e todos dizem que ele joga bem,e nunca incentivei ele a jogar futebol, mas ele não joga em nenhum clube em brasília, jogo na quadra da minha cidade, também gostaria de saber se para fazer o teste precisa jogar em algum clube de Brasília.

  4. Não estou sabendo de nenhuma avaliação técnica. Mas se souber, informo a todos. Quanto à participar, é bacana que ele esteja em um time.

  5. Bom Dia
    Sou mãe de GUSTAVO NEITSCH somos de Joinville /SC
    Meu filho foi selecionado em 2012 pelo Tupã em CHARQUEADA, fez 2 avaliações no Clube São Paulo
    passou na primeira e na segunda deu problema pois um pai de outro menino inventou uma calunia contra meu filho
    Falou diretamente p os médicos que meu filho tinha tido uma lesão gravíssima, nossa se fosse verdade ele não teria ido à segunda AVALIAÇÃO concordam?Mas meu filho foi a luta. Nós só soubemos da verdade em outubro de 2015 e AGORA O QUE O SENHOR TUPÃ PODE FAZER PELO Gustavo? Ele esta ativa ainda ja passou por outro Clube e aguardo sua ajuda.
    No email de Tupã esta meu Contato.
    Desde já Agradeço
    Obrigado
    Angelita.

  6. Olá meu filho joga muito futebol. Ele se chama Alain Dalon . Corro atrás pra ajudá-lo, mais é muito difícil. Se alguém o visse jogar não iria se arrepender. Mais chances pros nossos campeões. Quantos Neymar e existe a ser descoberto…meu filho é um.

  7. Sou Thiago Antônio. Da Silva sou profissional tenho 21 anos e estou em busca de uma oportunidade,meu link no YOU TUBE É (Thiago Silva ZAGUEIRO 95) também jogo como volante ,

  8. Ola meu e Diego Lima tem 25 anos sou cara muito dedicado no que eu faço corro atras dos meus objetivo faço o que tem que ser feito dentro de campo sou rapido ajudo na marcaçao gosto de atual como um meia atacante ou ponta ja joguei em um time amodor aqui do bairro por poucas estrutura o time acabou nao existindo mais porem jogo bola na faculdade ou com amigos para nao perde ritmo nao tem video de jogadas mas queria uma oportunidade para mostra o meu futebol e nao so torna o meu sonho em realidade mas tambem ajudar a minha familia.

  9. Oi, Tupã,
    Eu sou o pai do garoto Jordan Sousa, o qual o senhor avaliou jogando em 2015 no campeonato cearense, Ceará Cup em Aquiraz(jogo Ceará e Gremio – Sub 13).
    O senhor ficou de levar o Jordan pro Alldax e ficamos de receber sua resposta.
    O senhor colocou o nome dele em sua agenda e pegou o meu whatsapp, mas não consegui estabelecer contato.
    Também tentei pelo email: tupa.gomes@hotmail.com, mais fica voltando.
    Gostaria de Saber a resposta que tem para nós em relação a meu filho. Por favor, entrar em contato assim que receber estA MENSAGEM.
    (85) 98994.5787 / 98650.5861

  10. oi tupa meu nome e germano sou pai do jordan sousa voce lenbra da quele garoto que voce avaliol aqui no ceara foi uma desizao que teve em aquiras gremio e ceara pois estamos querendo oseu comtato porfavor presisamos muito de voce mande uma resposta ele tem 13 anos

  11. Olá!!
    Meu nome é: Caio Gabriel.
    Estou a procura de um time!!
    Sou um bom meio de campo
    E prometo q não irei desapontar os senhores
    Número de contato:61 98240-2651

  12. MEU NOME E JOAO VITOR TENHO UM FILHO DE 5 ANOS, GOSTARIA DE SABER SE TEM AVALIAÇÃO PARA ATLETAS DO SUB 07. SOU MUITO BOM NO QUE FAÇO, SOU APAIXONADO POR FUTEBOL.

  13. Olá meu nome é Willian tenho 14 anos 2004 lateral direita e ponta direita, quero muito me tornar jogador moro em águas lindas df, por favor se tiver como me ajudar, quero realizar meu sonho é também ajudar minha família

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close