Share

Feras do DF fazem bonito em São Paulo

IMG_7713Nos últimos tempos, o jiu-jitsu tem ganhado lugar de destaque entre as demais modalidades esportivas, e não é por acaso. Há, por trás dessa explosão, muito trabalho e comprometimento de todos os envolvidos, que buscam valorizar o espírito esportivo, guerreiro e disciplinador que a luta traz.

No Distrito Federal, assim como ocorre em vários lugares do mundo, são muitas as pessoas que encontraram no jiu-jitsu um motivo para vencer barreiras, reescrever sua história e colocar o nome entre os melhores, para, com orgulho, bater no peito e dizer com todas as letras: “eu sou campeão”.

Entre essas feras estão Heitor Braga faixa azul, 20 anos, peso Pena; Amauri Fonseca, faixa preta, 34, categoria Pesadíssimo Master; e Christiano Gorsky, faixa azul, recém-promovido faixa Roxa, 34, Médio Master. Os três saíram do DF para o Campeonato Mundial de Jiu-Jitsu Esportivo, em São Paulo, entre 18 e 21 de julho deste ano.

 

IMG_7670Jovem talento

Heitor Braga luta há três anos e meio e participa de competições há dois. Ele foi campeão mundial na categoria Pena. Para chegar ao lugar mais alto do pódio, venceu cinco adversários no mesmo dia, com intervalo de dez minutos entre cada luta. “No Absoluto tinha 75 atletas. Na minha categoria, 53. Quase um absoluto”, comenta o jovem atleta.

Ele destaca a força de vontade de vários lutadores do DF e lembra que falta incentivo. “Minha família me dá muito apoio. Não tenho patrocínio e tudo que fazemos, tiramos do bolso. Mesmo com as dificuldades, consegui superar e subir no lugar mais alto do pódio”, comemora o jovem lutador.

 

 

 

 

 

 

IMG_7652Disposição de garoto

O lutador peso pesadíssimo Amauri Fonseca também vem fazendo bonito na modalidade. Ele luta desde 2003 e conta que tudo começou com um desafio. “Meu cunhado me chamou para lutar e eu apostei que ganharia já que ele é bem menor que eu. Apanhei um bocado e, a partir daí, comecei a me encantar”.

São dez anos de competições. As conquistas são muitas, entre elas o Mundial CBJJE, Sul Brasileiro da CBJJ (Peso e Absoluto). “Tenho cem medalhas, seis troféus e um cinturão”, revela Amauri.

Mesmo com 34 anos, o atleta tem espírito esportivo de um garoto. Ele ministra aula de jiu-jitsu na Academia Scorpions Fitness, na QNN 24. “Tenho 25 alunos e tento passar a eles o quanto é importante ter garra e vontade de estar no pódio”, conta o professor, que revela seu maior sonho: “Quero muito ocupar o primeiro lugar do pódio do International Brazilian Jiu-Jitsu Federation (IBJJF), na Califórnia (EUA)”.

Faltam dois detalhes para garantir a participação. “Estou aguardando a entrevista para o visto e também corro atrás de patrocínio para ajudar na viagem”, conta Amauri.

Amauri destaca também a participação dos amigos da Hyper Fly. “Nosso time é muito bom. Temos a Nivea Maria, campeã mundial; Érica Rodrigues, vice no mundial; os irmãos Nina Moura e Pedrinho Moura, campeões mundiais; Hudson Lee e Lawrence Pakter, que não medalharam, mas que são lutadores fantásticos”.

Os demais atletas consideram Amauri um espelho. “Ele é um exemplo, porque pode escolher categoria mais fácil, mas sempre faz opção de lutar com os mais fortes”, comenta Heitor Braga.

Outro lutador complementa: “O Distrito Federal tem muitos atletas e sempre está bem representado. Mas gostaria muito que houvesse mais patrocínio para que pudéssemos representar nossa cidade”, diz Christiano Gorsky.

IMG_7694Recomeço e conquistas

Centrado, tranquilo e com um ar de quem encontrou muitas razões para sorrir. Assim é Christiano Gorsky. Ele também esteve no Mundial de Jiu-Jitsu Esportivo, em São Paulo. Ficou em terceiro lugar na categoria Médio Master.

Sua dedicação ao jiu-jitsu começou em 2010, após passar pelo trauma de uma separação. Ele conta que foi a luta que o ajudou a superar a mudança e a recomeçar. “Busquei o jiu-jitsu para superar a separação. Consegui mais que isso. Superei e encontrei minha atual esposa. Refiz minha vida e estou muito feliz”, revela Christiano.

O lutador tem medalhas do Campeonato Centro-Oeste, Brasiliense onde foi campeão na categoria e vice no Absoluto. Já disputou o charmoso Word Pro Abu Dhabi, seletiva de Gramado-RS e também foi bronze no mundial.

Com um currículo extenso, Christiano faz questão de frisar que para as conquistas, tem sempre a ajuda dos seus professores da equipe Checkmat, Igor Carpaneda e Mayko Araújo, e de todos seus colegas de treino, que sempre pegam pesado. Além de contar com seu amigo e preparador físico, André Madeira, da Xtreme preparação física. “Sem preparação física adequada e um excelente treinamento técnico voltado para a competição, seria complicado ganhar uma luta sequer, em um campeonato do nível que foi o Mundia deste ano. Ninguém foi lá apenas para se testar”.

Incentivo

Christiano Gorsky também é daquelas pessoas que acreditam que nunca é tarde para começar a praticar esportes. Assim como ele, que teve o encontro com o jiu-jitsu aos 31 anos, ele acha que as pessoas devem se abrir para novos desafios. “Quero muito que as pessoas que têm mais de 30 anos acreditem que elas podem começar a qualquer momento. Nunca é tarde e quem quiser treinar com a gente só me adicionar no facebock e procurar nossa equipe para uma aula experimental”.

Deixe um comentário