Share

Judoca brasiliense conquista vaga em campeonato mundial escolar

Aos 17 anos, Bianca Reis é um dos destaques do torneio Gymnasiade 2022, que ocorre em maio, na França. Atleta é bolsista de dois programas de apoio ao esporte no GDF

Os primeiros golpes foram dados aos 7 anos de idade. Hoje, passados dez anos, a judoca Bianca Reis está virando a sensação do esporte no Distrito Federal, a ponto de representar o nosso quadradinho em vários estados do país e no exterior. A mais nova façanha da jovem atleta foi garantir uma vaga no campeonato mundial escolar Gymnasiade 2022, que será realizado em maio deste ano na Normandia, França.

O passaporte foi carimbado para o torneio internacional na noite desta quarta-feira (23), quando Bianca se sagrou campeã na seletiva nacional para a competição, realizada em Aracaju (SE).

“Ela já tinha conquistado essa vaga em 2020 em outra categoria, mas, por conta da pandemia, não fomos. Agora deu certo”, festeja, orgulhoso, o pai Marcos Reis. “É um nível de competição de que nunca participei. Será uma experiência muito boa, tanto pela viagem, quanto pelo desafio esportivo”, revela a jovem atleta.

Antes, no entanto, em abril, ela participa dos Jogos Sul-Americanos da Juventude, na cidade argentina de Rosário. E não é tudo. Ainda no próximo mês, a judoca será destaque em duas categorias – sub-18 e sub-20 – do Campeonato Pan-Americano que ocorre em Lima, no Peru. “A Bianca está enrolada agora”, brinca o pai. “No ranking nacional ela é a primeira colocada nas categorias sub-18 e sub-20”, destaca.

Viagens pelo Brasil e no exterior têm sido uma rotina na trajetória da esportista, que já foi a países como Equador, Chile e México, além de inúmeras cidades brasileiras. Difícil mesmo tem sido conciliar a vida de judoca com os estudos. “Muita gente me pergunta isso e realmente é muito difícil”, admite a atleta. “Mas conto com a ajuda dos meus pais, do meu orientador (sensei) e coordenadores da escola para organizar minha rotina, me organizar nas duas áreas.”

A importância de participar de um torneio escolar mundial do outro lado do Atlântico, no Velho Continente, é imensurável. Além do respeito e aprendizado, agrega crescimento pessoal e profissional. “É uma experiência muito válida e estou treinando, dando o meu máximo para trazer o melhor resultado possível, voltar para casa com a medalha de ouro”, torce Bianca Reis.

Como toda esportista, Bianca sonha com o topo na carreira. Ou seja, competir em uma Olimpíada. “Claro que sonho em chegar às Olimpíadas, ganhar a medalha olímpica, mas, mais do que isso, quero viver do judô, do esporte, ser uma atleta reconhecida”, diz.

Há seis anos treinador da jovem judoca, o sensei Oswaldo Navarro também contabiliza a grandeza de mais essa conquista na trajetória de ambos. “É uma realização profissional poder colocar mais um atleta no mundial escolar da França”, avalia ele, que emplacou outros dois judocas de Brasília na competição francesa. “O mundo todo estará participando dessa competição”, conta.

Apoio

Para cumprir essa intensa agenda esportiva no Brasil e no Exterior, Bianca Reis conta com importante apoio do Governo do Distrito Federal (GDF): os programas Bolsa Atleta e o Compete Brasília, desenvolvidos pela Secretaria de Esporte e Lazer (SEL).

O primeiro incentiva a participação dos atletas em competições, patrocinando passagens aéreas e terrestres. O segundo é um benefício mensal concedido a competidores de alto rendimento e bons resultados em competições. Juntas, as duas iniciativas contemplam quase 1.500 atletas de várias modalidades, em todo o DF. Os investimentos iniciais para os dois programas em 2022 superam os R$ 6,6 milhões.

“Os benefícios são iniciativas que engrandecem o esporte do Distrito Federal. Não só o judô, mas todas as outras modalidades. É uma ajuda e tanto”, elogia o professor de Bianca, Oswaldo Navarro. “Era o tempo que a gente se desdobrava com rifas e almoços para ajudar nas despesas, que são muitas: academia, suplementação alimentar, material esportivo, passagens, hotel. Com essa ajuda custeamos todos os gastos”, agradece o pai da atleta, Marcos Reis.

Para a secretária de Esporte e Lazer, Giselle Ferreira, a contribuição do Estado a jovens talentos do esporte é um investimento. “São programas importantes da Secretaria de Esporte que possibilitam ao atleta de alto rendimento condições de se dedicar com tranquilidade aos treinamentos e competições”, comenta. “Trabalhamos para garantir que esse aporte seja mantido, pois sabemos a diferença que faz no cotidiano dos nossos esportistas”, reconhece.