Share

Saltadora do Distrito Federal participa de Pré-Olímpico no Japão

Anna Lúcia Martins, do Pro Brasil, vai disputar uma oportunidade nos Jogos Olímpicos

Fonte: Secretaria de Esporte e Lazer do DF

Os primeiros pulos da brasiliense Anna Lúcia Martins nos saltos ornamentais aconteceram no Complexo Aquático Claudio Coutinho aos sete anos, quando sua mãe ainda trabalhava no local e a incentivou a participar das aulas ministradas pelo técnico Giovani Casillo, responsável por formar nomes como César Castro, Hugo Parisi e Ricardo Moreira. De lá para cá, muita coisa evoluiu em sua carreira no esporte e a jovem leva hoje o nome do Distrito Federal mundo afora, com apoio da Secretaria de Esporte e Lazer (SEL).

Na primeira semana de maio, ela participa da Copa do Mundo de Saltos Ornamentais, o Pré-Olímpico, no Japão, onde disputa uma vaga para os Jogos Olímpicos de Tóquio, que acontecem dois meses depois na terra do sol nascente. Ponto máximo na trajetória de qualquer esportista é disputar uma edição dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos. E com Anna Lúcia Martins, que conquistou o primeiro título brasileiro aos 9 anos e continua a alcançar marcas, não é diferente.

Em sua trajetória juvenil, marcou presença em Pan-Americanos, em que levou o quarto lugar; Sul-Americanos, onde foi campeã três vezes; Mundial Juvenil e Olimpíada da Juventude. Neste ano, no Sul-Americano de Esportes Aquáticos, em Buenos Aires, voltou com uma medalha de prata no trampolim individual de 1 metro e uma de bronze no trampolim individual de 3 metros, sendo essa última a sua prova principal. Assim como na capital portenha, competirão no Pré-Olímpico, além de Anna Lúcia, três atletas da capital federal.

São eles Luis Felipe Moura, Kawan Figueredo Pereira e Luana Lira, que integram a seleção brasileira de saltos ornamentais e representam o Instituto Pro Brasil, que tem como uma de suas bases de treinamento o Centro Olímpico da Universidade de Brasília (UnB). “Conto com a melhor estrutura para a preparação de um atleta em saltos ornamentais, tenho o melhor técnico, a melhor equipe multidisciplinar e os melhores equipamentos”, diz a jovem que considera as estruturas de Brasília adequadas para a modalidade.

O Distrito Federal também concentra as maiores fontes de inspiração da saltadora e o importante apoio de programas da Secretaria de Esporte e Lazer. “Tive a oportunidade de participar de várias competições importantes para minha carreira internacional devido ao Compete Brasília. E com a ajuda do Bolsa Atleta, eu consigo custear meus suplementos, vitaminas e materiais para a minha preparação. Os dois programas, na minha opinião, são indispensáveis para o meu desenvolvimento como atleta”.

Antes de mergulhar nos saltos ornamentais, ela se arriscou em modalidades como o balé e a ginástica acrobática. Hoje a rotina de treinamento, em dois períodos, inclui exercícios físicos e atendimento à equipe multidisciplinar. Para manter a disciplina e o foco no trabalho dentro da piscina, o apoio de amigos e familiares se mostra muito importante em todo o processo. “Quando vou para competições, eu sempre recebo muito incentivo, muita força, e quando volto sou acolhida independente do resultado”.