PrincipaisVariedades

Supermáquinas

Indy Munoz
Indy Munoz
Foi um sucesso a 1ª etapa do Campeonato Capital de Motovelocidade

O Campeonato Capital de Motovelocidade abriu a temporada 2014 em ritmo acelerado. As provas foram realizadas domingo (26/1), no Autódromo Internacional de Brasília. O público compareceu para conferir de perto as supermáquinas.

Na GP 1000, Henrique Castro ficou em primeiro lugar, com 26m11s498, seguido de Alessandro Elias, 26m24s301, e Sergio Guerreiro, 26m33s926. Na GP 600, Roani Farfan (26m37s662) terminou em primeiro. Em segundo, Raphael da Silva Guimarães (27m47s846) e, em terceiro, Alan Ricardo (28m20s408).

A GP Light teve Samuel da Silva em primeiro (27m22s176), seguido de Dani Mamola (28m19s975), e Walace Santos (28m21s684). Remi Toscano faturou a Master (28m22s235), enquanto Indy Munoz faturou a Track GP 1000, com 18m45s765; e Rudnei Pimenta levou a melhor na Track GP 600, com 26m33s257.

Na GPR 250, em primeiro lugar, Wylson Ribeiro Gomes (26m00s765); Pedro Ramos, em segundo, com 26m28s209; e Cleyton Cavalcante, em terceiro, com 27m17s422. Maurício Chagas conquistou a GPR 300 (26m25s668). As provas da GPR Junior 125CC e 250CC foram vencidas por Kaywan Freire (17m0s812) e Enzon Rodrigues (16m56s700), respectivamente.

Mudanças

A Federação de Motociclismo do DF e Capital Racing promoveram várias modificações e ajustes no calendário para este ano, em razão da Copa do Mundo e, principalmente, da reforma do Autódromo Nelson Piquet. A competição, com seis etapas oficiais, precisou ser dividida e algumas deverão ser realizadas em Goiás.

Três etapas serão adiantadas e concluídas em Brasília, duas foram transferidas para Goiânia e a última deverá inaugurar o novo Autódromo de Brasília, com previsão de entrega para dezembro.

O presidente da FMDF, Carlos Senise, conversou, na semana passada, com os pilotos de Brasília sobre a possibilidade da Capital Federal não conseguir finalizar a obra do Autódromo para receber o GP, em razão do pouco prazo para a execução do projeto. O GDF confirmou o fato. “A imagem que fica do Brasil lá fora é a mesma da Copa do Mundo, aqui tudo fica pra última hora”, comentou Senise.

Brasília receberá mais duas etapas: em 23/2 e 23/3.

Outra modificação realizada pela coordenação do Capital teve como objetivo ajustar o Brasiliense ao Campeonato Nacional Moto 1000 GP, com a mudança de nomes das categorias, que a partir de agora, ficam GP 1000, GP Light, GP 600, GPR 250, GPR 300, GPR Junior, Track GP 1000 e Track GP Light.

Para fomentar e expandir o esporte, foi criada uma nova categoria, a GP Master, para pilotos com idades a partir de 45 anos e a já estabelecida GPR Junior, com garotos de até 15 anos, que continuará com maior número de participantes.

Tags
Mostrar Mais

Viver Sports

A voz do esporte amador no DF e Entorno, chega a versão 2.0 de seu novo Site

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close