Nadador do DF se prepara para próximo ciclo paralímpico com apoio da SEL

0
14

Élcio Cunha é participante dos programas Bolsa Atleta e Compete Brasília

Fonte: Secretaria de Esporte e Lazer do DF

“A melhor decisão da minha vida foi ter iniciado na natação”, recorda Élcio Cunha Pimenta Júnior, de 18 anos, que hoje treina em alto rendimento, com a perspectiva de competir a próxima edição dos Jogos Paralímpicos, com apoio da Secretaria de Esporte e Lazer (SEL). Aos 11 anos, quando perdeu a visão devido ao descolamento de retina, ele conheceu o movimento paralímpico, incentivado à época por um colega. “Ele me convidou para treinar e ver o que achava e me dei muito bem”.

Contemplado pelo Bolsa Atleta desde 2017, o nadador considera fundamental para um atleta o patrocínio do Governo do Distrito Federal (GDF). “Realmente auxilia em gastos com materiais, suplementação, acompanhamento médico. Só pude comprar melhores trajes e materiais, além do acompanhamento nutricional e equipe técnica, por conta do programa”. No ano passado, 238 esportistas da capital, entre olímpicos e paralímpicos, foram contemplados com o auxílio financeiro, o que totalizou o investimento de R$ 2,2 milhões.

Já o Compete Brasília viabiliza a oportunidade de disputar torneios em qualquer parte do Brasil e do mundo. “Seja nos cantos mais remotos, o Compete traz essa possibilidade. É o apoio que muita gente não tem, justamente porque é muito caro e complicado investir em passagens áreas com dinheiro do próprio bolso”, avalia o jovem que combina treinamentos na piscina e na academia com tratamento fisiológico, entre massagem e fisioterapia preventiva, além do curso de direito, que faz na Faculdade Mackenzie.

Neste ano, o nadador, que nasceu em Valparaíso de Goiás, deve participar das etapas do World Series, conjunto de competições internacionais que funcionam como preparação para embates maiores, tais como o Mundial, as Paralimpíadas e os Jogos Parapan-Americanos. As provas vão ocorrer como seletiva para o Mundial, o foco do atleta em 2022, que ocorre em junho na Ilha da Madeira, em Portugal. Completam a lista, possíveis competições pela seleção Sub-20 e demais compromissos preparatórios para os anos seguintes.

Em 2021, Élcio participou da seletiva para os Jogos Paralímpicos de Tóquio. “Uma Olimpíada é o que todo atleta almeja, muitos querem, mas nem todos fazem o que é preciso para estar lá. A seletiva é a porta de entrada para tudo isso, certamente não é todo mundo que chega a uma seletiva olímpica, tem que ter um nível para isso. Foi um aprendizado muito bom, foi uma oportunidade de aprender com os melhores. É junto dos melhores que a gente aprende e se desenvolve”.

O esportista nada, principalmente, os 50m livre, prova que o fez participar da seletiva de Tóquio. Atualmente, ele também entra na piscina nos 100m livre e 400m livre e está em fase de desenvolvimento para competir, em breve, os 200m medley e 100m peito. O trabalho desenvolvido com o técnico Marcus Lima tem como metas os ciclos para os Jogos de Paris, em 2024; de Los Angeles, em 2028; e Brisbane, em 2032. “A gente estabelece sonhos e objetivos, até lá a gente vai subindo degrau a degrau”, finaliza.

Artigo anteriorReforma da Piscina com Ondas terá R$ 8 milhões
Próximo artigoVai começar o Candangão 2022
Viver Sports
A voz do esporte amador no DF e Entorno, chega a versão 2.0 de seu novo Site