PrincipaisTênis de Mesa

Atletas que eram rivais se tornam dupla medalhista em Ribeirão Preto

A dupla do DF Pedro e Guilherme, que ganhou o bronze no tênis de mesa, costumava se enfrentar em competições

Que o esporte é instrumento de crescimento individual e interação social, todo mundo sabe – e os Jogos da Juventude 2023 mostram essa teoria na prática. Depois de se enfrentar em competições de tênis de mesa durante anos, a dupla de mesatenistas do DF Pedro e Guilherme subiu ao pódio e levou a medalha de bronze na competição, que segue até sábado (16), em Ribeirão Preto (SP).

Dos mais de 4,5 mil atletas que participam do evento promovido pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB), 155 representam o DF graças a uma parceria com a Secretaria de Educação (SEEDF). Além da medalha que conquistaram, Pedro Costa de Oliveira, 17 anos, e Guilherme de Oliveira, 16, se destacaram por sua comunicação, seus contextos diferentes e por serem, ordinariamente, adversários em competições.

Espírito esportivo

Pedro e Guilherme já competiram em jogos regionais e nacionais, e muitas vezes jogaram um contra o outro. Tal rivalidade não foi o suficiente para diminuir o espírito esportivo e maturidade dos atletas, que ficaram amigos dentro e fora das quadras.

Na quadra em que se realizavam vários jogos simultâneos de tênis de mesa, a dupla brasiliense era a que mais dialogava entre si. Os atletas ouviam com atenção quando o companheiro indicava mudanças e estratégias necessárias para vencerem seus adversários. Essa interação foi chave para seu desempenho na modalidade.

“Vendo de fora, você consegue avaliar muito sobre o oponente, então era importante dar dicas um para o outro de como melhorar e tentar nos ajudar”, conta Pedro. “Comunicação melhora o entrosamento dos jogadores, melhora o jogo e nos deixa mais confiantes”. Aos jovens atletas que buscam ser melhores em suas modalidades, ele recomenda: “Não desanimem e não desistam. Continuem tentando”.

Os atletas

Aluno do Centro de Ensino Médio (CEM) 5 de Taguatinga, Pedro joga tênis de mesa há mais de dez anos. Foi inspirado pelo pai, que também já participou de competições na modalidade. “Além da saúde, o esporte me motivou a ficar fora do mau caminho”, conta o atleta. “Me sinto muito motivado na vida”.

Já Guilherme, que estuda no Centro Educacional Leonardo da Vinci, na Asa Norte, treina há quatro anos e faz sua estreia nos Jogos da Juventude. “Vou levar comigo as amizades e o que aprendi com a oportunidade de conhecer pessoas de outros esportes, pois entendi muito sobre as outras modalidades”, afirma. (Com informações da SEEDF)

Viver Sports

A voz do esporte amador no DF e Entorno, chega a versão 2.0 de seu novo Site