Sucesso do goalball em São Sebastião atrai paratletas de todo o país

0
16
Max Diego Nascimento do Rosário, 29 anos, saiu de Belém (PA) especialmente para treinar a modalidade na unidade esportiva | Foto: Divulgação/Secretaria de Esporte e Lazer

Fonte: Secretaria de Esporte e Lazer do DF

O trabalho desenvolvido no Centro Olímpico e Paralímpico (COP) de São Sebastião com o goalball despertou o interesse de atletas deficientes visuais de todo o Distrito Federal e até de outras regiões do país. Atrás de praticar a modalidade em alto rendimento, vieram esportistas de Mato Grosso, Rio Grande do Norte e Pará, além de moradores do próprio DF como de Sobradinho, Areal, Samambaia e Ceilândia.

É o caso do jovem Max Diego Nascimento do Rosário, 29 anos, que saiu de Belém (PA) especialmente para treinar a modalidade na unidade esportiva. Após conhecer o professor Gabriel Goulart, do COP de São Sebastião, em Campo Grande (MS) durante um campeonato, ele decidiu que faria parte da equipe de Brasília.

A oportunidade surgiu em março de 2019, quando mudou-se sozinho para São Sebastião, com o objetivo de conhecer a cidade e as pessoas que dividiria a quadra pelos próximos meses. A transferência deu tão certo que, em julho, Max retornou à capital paraense para buscar a esposa Ana Clara, 29 anos, e a filha Clarice de 11 meses. Ao contrário do casal, que perdeu a visão ao longo dos anos, a bebê não apresenta nenhuma deficiência nos olhos. Após seguidas cirurgias devido a um deslocamento da retina, Max perdeu a visão em função de um glaucoma irreversível, ainda no início da adolescência, aos 12 anos.

A situação deixou Max com depressão. Conseguiu superar a doença, após conhecer uma instituição que atendia deficientes visuais. “Fiquei totalmente cego de um dia para outro. Pensei que não tinha mais lugar para mim. Quando conheci a instituição, com tanta gente alegre, vivendo e praticando esportes descobri  que a vida continua e me adaptei à nova realidade”, diz.

Fez judô e futsal, mas se encontrou mesmo no goalball. Começou a atuar profissionalmente, viajou, competiu, ganhou títulos e conheceu sua esposa, também praticante da modalidade. Alcançou o ápice ao ser convocado para a seleção brasileira, perdendo a vaga após lesionar o ombro.

Conheceu o Gabriel, no meio dessa trajetória, e, desde então, começou a acompanhar o seu trabalho. “Ele é um professor que se dedica mesmo, corre atrás de conhecimento”, destaca. A adaptação não foi fácil, especificamente por conta do clima. O ambiente chuvoso e úmido de Belém contrasta com a secura do Planalto Central. Outra diferença que sentiu foi na quantidade de treinos. Enquanto lá, ocupava a quadra uma por semana, aqui a rotina pesada, de segunda a sexta, rende elogios. “Nosso próximo passo é encontrarmos uma creche para a Clarice, assim minha esposa pode voltar a treinar também”, completa.

Gabriel Goulart é o professor responsável pelo goalball no COP de São Sebastião. A turma tem 14 alunos. Formado em educação física, ele se especializou em modalidades paralímpicas.

Saiba Mais

O goalball é uma modalidade desenvolvida exclusivamente para pessoas com deficiência visual. A quadra tem as mesmas dimensões das de vôlei – 9 metros de largura por 18 metros de comprimento. As partidas são divididas em dois tempos de 12 minutos. Cada equipe conta com três jogadores titulares e três reservas que são, ao mesmo tempo, arremessadores e defensores. De cada lado há um gol posicionado, de 9 metros de largura por 1,30 metros de altura. Com a proposta de balançar a rede adversária, o praticante faz um arremesso rasteiro com a bola. Há um guizo em seu interior para facilitar sua localização.

Artigo anterior50ª edição da Corrida de Reis será em 25 de janeiro
Próximo artigoAberto período de inscrições para 50ª Corrida de Reis
Viver Sports
A voz do esporte amador no DF e Entorno, chega a versão 2.0 de seu novo Site