FutebolPrincipais

A força que vem da periferia

Conheça a história de jovens do DF que driblam obstáculos econômicos e sociais em busca do
sonho de ser atleta

Oportunidade! Essa é a palavra de ordem que move muitos garotos e garotas do Distrito Federal que batalham, diariamente, para vencer a falta de recursos, desigualdade, violência, preconceitos e tantos outros problemas sociais.

O esporte, aliado de muitos desses jovens na luta por um futuro melhor, quando acompanhado de uma oportunidade torna-se um grande combustível, capaz de impulsionar nos caminhos mais difíceis.

Por isso, a Taça das Favelas, campeonato de futebol de campo, realizado pela Central Única das Favelas do Distrito Federal (CUFA DF), em parceria com a Rosa dos Ventos Produções que visa dar visibilidade aos jovens talentos de comunidades locais, vem recheada de histórias emocionantes de luta e perseverança.

O campeonato acontece de 17 de agosto a 28 de setembro e vai além dos jogos em campo. “Quando falamos de favelas, se houve falar muito em reparação, por todos os anos de descaso. Porém nós queremos mostrar o lado positivo e potente das favelas. A Taça tem um papel fundamental, não somente de dar oportunidade na realização do sonho de jogar bola, mas também na construção do caráter e identidade desses jovens”, destaca Bruno Kesseler, presidente da CUFA DF.

Meninas mostram persistência e quebram paradigmas

Camila Lima, 16 anos, mora no Riacho Fundo I, começou a se interessar por futebol vendo o irmão mais velho jogar. Sabia de seu potencial e por isso, com apenas cinco anos, tentou convencer o treinador de seu irmão de que ela poderia jogar tão bem, ou ainda melhor que os meninos.

A resposta, já esperada, foi não, mas determinada que é continuou insistindo até que aos sete anos entrou em campo e não parou mais. “Desse dia em diante comecei a treinar todos os dias com os meninos, era a única menina. Logo depois já estava treinando nos 3 horários disponíveis, no dos mais novos como goleira, no da minha categoria e até no horário dos mais velhos”, afirma Camila.

Foram cinco anos de treinos intensos no Centro de Iniciação Desportiva (CID), localizado no Núcleo Bandeirante, até que a aposentadoria de seu professor, por problemas de saúde, dificultaram sua permanência no centro. “Depois que meu técnico saiu, ficou mais difícil continuar treinando como antes, as piadinhas vindas dos meninos, por eu ser mulher e jogar futebol aumentaram muito e achei que era hora de mudar”, relembra a jogadora.

As dificuldades não pararam por aí. Separação dos pais, desemprego da mãe, falta de recurso da família para arcar com as mensalidades da tão sonhada escolinha de futebol society foram alguns dos obstáculos superados por Camila.

Em 2016, a estudante passou a treinar na Camila Orlando Academia de Futebol Feminino (Coaff). “No início, éramos somente quatro atletas. Treinávamos em uma quadra torta, quadra aberta, então, a chuva por um tempo foi inimiga, mas nunca desistimos, continuamos firmes, focadas no futebol. Lá, desenvolvi meu espírito de liderança. Hoje, temos união, disciplina, respeito e humildade, mas a minha principal característica é a garra, sou guerreira nata”.

A menina, que afirma ter o sonho de jogar no Brasil e em outros países, é uma das centenas de jogadores que estão participando da Taça das Favelas no Distrito Federal e promete dar um show de bola no campeonato que contará com observadores técnicos de clubes locais e nacionais.

Distância não é empecilho

Andar quase 10km a pé ou até mudar de estado e atravessar cerca de 1.400km em busca do sonho de ser um jogador de futebol parece muito, mas não é nada perto do que Ericles da Silva e Paulo Alves já enfrentam pela realização desse sonho.

Ericles da Silva Lima, 17 anos, mora em Planaltina. É filho de mãe solteira, manicure e doméstica. Nunca conheceu o pai. Passou por diversas dificuldades. “Às vezes, mal tínhamos o que comer em casa”, conta.
Foi por pouco que não mergulhou no caminho das drogas, cercado por um contexto de desigualdade social, no qual a violência e criminalidade são ameaças constantes.

O esporte surgiu como um resgate e caminho para uma vida melhor. Hoje, Ericles faz parte de um projeto social que oferece aulas gratuitas de futebol a jovens adolescentes. Quando soube das peneiras organizadas pela CUFA-DF, na região onde mora, e da oportunidade de participar, não teve dúvidas. Como não tinha dinheiro para pagar a passagem de ônibus até o local da seleção, acordou às 06h da manhã e percorreu um trajeto de cerca de 10 km, a pé. A fome e cansaço não foram empecilho, ele brilhou e se classificou para jogar a Taça das Favelas no time de Planaltina.

Criado no interior Piauí pelo pai e avó, Paulo Alves de 15 anos veio sozinho para Brasília em busca de profissionalização. Aqui, ele vive no Pôr do Sol, em Ceilândia, na casa dos tios e para ajudar na renda da família trabalha fazendo bicos. Apesar da saudade de casa e das dificuldades financeiras, a luta pelo sonho fala mais alto.

“Quando cheguei em Brasília comecei a jogar um campeonato e logo depois apareceu uma oportunidade de viagem para Goiânia. Falaram que teriam olheiros e não pensei duas vezes. O professor falou que todos tinham que levar colchão para dormir, mas eu não tinha. Mesmo assim não baixei a cabeça botei um pano no chão e dormi assim mesmo, feliz porque estava fazendo o que eu gosto. Não conseguimos ganhar mas voltei feliz por ter jogado um campeonato grande”, recorda Paulo.
Hoje, ele precisa andar 1h30, a pé, para ir aos treinos. “Como moro em uma chácara distante e que não passa ônibus, vou andando aos treinos, mas não tem problema, tenho fé em Deus que vou conseguir realizar o meu sonho”, afirma.

Tags
Mostrar Mais

Viver Sports

A voz do esporte amador no DF e Entorno, chega a versão 2.0 de seu novo Site

Artigos relacionados

Close