LutasPrincipais

Judô: Há mais de 40 anos formando campeões em Ceilândia

Participação da modalidade na 10ª edição das Olimpíadas da cidade começa no dia 30 de março, no ginásio da Guariroba

Uma das modalidades presentes na 10ª Olimpíadas de Ceilândia, o Judô fará sua terceira participação na competição alusiva ao aniversário de 53 anos da Região Administrativa.

A prática da modalidade figura em Ceilândia desde 1980, iniciando seus eventos com o Sensei Walteir Alves Pinto, no Sesi.

Nesta edição da competição mais importante da Região Administrativa, a modalidade tem como coordenador o faixa preta, 3º Dan e presidente/fundador da Associação Judô Galdino o lutador Edvaldo Galdino, 52 anos, morador de Ceilândia há 42 anos.

A Associação Judô Galdino é um projeto social que que está presente em três núcleos na cidade. E o trabalho rende resultados incríveis, formando atletas e evidenciando técnicos que representam ou já representaram o Distrito Federal em diversas competições (nacionais e internacionais).

PERSONALIDADES


Atualmente, nomes como Pedro Henrique Lopes da Silva, Ana Clara Souza Silva, Maria Catarina Fontanezzi e Mariany Moreira Silva sãos os principais destaques da associação. Assim como os técnicos Walteir Alves Pinto, Guilherme e Heder Marques.

Não é possível deixar de relacionar também os atletas que são pioneiros na modalidade e que muito orgulho dá ao DF e à Região Administrativa, como é o caso de Ketlen Quadros (foto acima). “Ketlen Quadros foi a primeira mulher a ganhar uma medalha nas Olimpíadas, categoria individual, e a que mais subiu ao pódio pelo Brasil, com 4 medalhas de ouro, 3 de prata e 16 de bronze”, lembra Galdino.
Ele também destaca Érika Miranda (foto acima), que nasceu em Ceilândia, em 1987. Judoca militar brasileira, foi campeã da categoria 52 kg feminino nos Jogos Pan-Americanos de 20215.

PERFIL DO COORDENADOR

O coordenador conta que começou a praticar Judô para incentivar o filho a fazer uma atividade física e acabou gostando dos treinos.

“Hoje, sou faixa preta e 3º Dan. Criei a Associação Judô Galdino e, no ano passado, ficamos em 6º lugar geral na Federação de Judô de Brasília, tento vários atletas viajando para Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Curitiba”, conta Galdino.

As glórias e conquistas são muitas, mas Galdino lembra as dificuldades para manter o projeto funcionando e os atletas competindo. “Os momentos de superação e resiliência são constantes e posso destacar um ponto alto, fazemos eventos e rifas, além de conta com a ajuda dos pais para pagar as competições e viagens dos atletas do projeto social”, lembra.

São muitas as alternativas usadas, “como fazer galinhada para pagar as despesas de competições e hospedagem de atletas, e também para custear viagem de mães, como fizemos para o Brasileiro de Judô, em Curitiba”, completa.

Mesmo com todas as dificuldades, eles encontram razões para atrair mais praticantes. “O Judô é um esporte de requer muita disciplina e dedicação, mas nos dá uma grande possibilidade de fazer amigos e viajar para fora de Brasília e até mesmo fora do Brasil. Por isso, estamos abertos para receber novos alunos. Basta nos procurar pelo telefone (61) 98530-0994 que vamos inserir o novo praticante em um dos três polos que melhor atender”, finaliza Galdino.
A modalidade inicia sua participação na 10ª Olimpíadas de Ceilândia no dia 30 de março, no ginásio da Guariroba, Ceilândia.

10ª OLIMPÍADAS DE CEILÂNDIA

Nesta edição, a competição conta com os seguintes apoios/patrocínios:
– Senadora Leila Barros R$ 325.000;
– Acic/Sesc Mesa Brasil: 2.540 lanches;
– Administração Regional de Ceilândia
Espaços: SESC, UCB, CED 16 – QNQ, CEM 03 – Ceilândia Sul, Escola Parque de Ceilândia e JK Shopping.

Viver Sports

A voz do esporte amador no DF e Entorno, chega a versão 2.0 de seu novo Site